Os consumidores do Distrito Federal vão ter reajuste médio na tarifa de energia elétrica de 7,35% a partir do dia 22 de outubro, próximo domingo.

Ao calcular o reajuste, conforme estabelecido no contrato de concessão, a agência considera a variação de custos associados à prestação do serviço. O cálculo leva em conta a aquisição e a transmissão de energia elétrica, bem como os encargos setoriais.
Para os consumidores residenciais cativos, da classe residencial de baixa tensão, o aumento será de 6,84%. As indústrias que consomem alta tensão terão as tarifas majoradas em 8,46%. Com isso, o efeito médio para o consumidor da CEB fica em 7,35%, segundo a ANEEL.
Além desse aumento, desde o início do mês, está em vigor a bandeira vermelha nível 2 (uma nova catergoria, ainda mais cara), que acrescenta à tarifa R$ 3,50 para cada 100 kWh, ou seja, R$ 0,035/kWh. Para residências e comércios menores, que pagam tarifas na faixa de R$ 0,65/kWh, o acréscimo da bandeira vermelha corresponde a um aumento de 5,4%. Para indústrias e grandes comércios, que tem contrato de demanda, sua tarifa é de aproximadamente  R$ 0,45/kWh, então, a bandeira vermelha corresponde a um aumento de 7,8%. Soma-se ainda os 8,46% incidentes na tarifa, os grandes clientes terão reajuste de 16,24% na conta de energia.
A instalação do sistema de energia fotovoltaica permite se proteger desses aumentos. Temos casos de clientes que pagavam R$ 10.000,00 em energia elétrica por mês e passaram a pagar R$ 100,00. Com os reajustes citados acima, o cliente passaria a pagar R$ 11.624,00, mas com o sistema de energia solar, pagará apenas R$ 116,24.